Topo
pesquisar

Figuras de Linguagem

Redação

PUBLICIDADE

Em nosso cotidiano convivemos com uma grande diversidade de textos. Todos possuem um objetivo em comum: estabelecer a comunicação entre os interlocutores. Essa, por sua vez, possui uma finalidade específica, seja para instruir, persuadir, provocar humor, informar, dentre outras.

Quando se trata de textos informativos, como por exemplo, os jornalísticos, notamos que os mesmos são permeados por uma linguagem clara, objetiva e dinâmica, pois a intenção é única e exclusivamente informar ao leitor sobre fatos decorrentes do universo social, sejam eles polêmicos ou não. Portanto, não é permitido nenhum juízo de valor, nem tão pouco, comentários pessoais por parte do emissor.

Todavia, ao nos depararmos com textos poéticos e com outros ligados à linguagem publicitária de um modo geral, não identificamos essa mesma característica. Ao contrário, notamos que a linguagem revela emoção, subjetividade, proporcionando espaço para múltiplas interpretações por parte do leitor.

Trata-se de alguns recursos empregados pelo emissor, nos quais o objetivo é conferir maior expressividade à mensagem, ornamentando-a para justamente realçar a beleza do ato comunicativo.

Tais recursos são denominados de linguagem figurada, conotativa, ou seja, aquela que se difere do seu sentido denotativo, prescrito no dicionário. Desta forma, o autor instaura um jogo de palavras apostando no emprego de acréscimos, supressão, repetição de termos, entre outros.
Todos realizados de maneira intencional, para atingir os objetivos por ele pretendidos.

Com o objetivo de ampliarmos nossos conhecimentos sobre o referido assunto, vejamos alguns exemplos e suas respectivas características:

Figuras de Sintaxe

Elipse

Consiste na omissão de um termo tendo em vista que este já faz parte da inferência do interlocutor, permitindo, portanto, a compreensão da mensagem:

Fiquei ansiosa para saber o resultado do concurso.
Podemos perceber que houve a omissão do pronome pessoal (Eu).

Zeugma

Sua característica pauta-se também por omitir um termo, porém o mesmo vem expresso anteriormente na oração:

Kátia e sua prima foram ao cinema, Marília e Cibele não.
Notamos que houve a omissão do termo (não foram).

Polissíndeto

Ocorre a repetição sequencial de conectivos, geralmente do “e”.

Os garotos chegaram e começaram a lanchar e subiram para assistir ao filme e depois saíram para o passeio ciclístico.

Assíndeto

Ao contrário do polissíndeto, há a supressão do conectivo:

Estudava pela manhã, trabalhava à tarde, fazia aula de canto à noite.

Pleonasmo:

Consiste no emprego desnecessário de um termo, uma vez que este já foi anteriormente mencionado:

Eu a vi com olhos de admirador apaixonado.

Silepse:

Figura que retrata a concordância com a ideia exposta na oração, não com as palavras explícitas na mesma:

Silepse de pessoa:

As crianças somos o futuro da nação.

Note, portanto, que há discordância entre o sujeito e a pessoa verbal.

Silepse de número:

A multidão chegaram aflitos para assistir à carreata.

Silepse de Gênero:

Vossa Excelência parece nervoso.

Anáfora:

Consiste na repetição sequencial de um termo para reforçar a ideia na oração:

O amor tudo suporta, o amor tudo crê, o amor tudo perdoa.

Figuras de palavras:

Metáfora:

É uma comparação oculta que consiste no emprego de uma palavra em lugar de outra, tendo em vista a relação de semelhança entre ambas:

Sua boca é um cadeado
E meu corpo é uma fogueira.

Comparação:

É uma comparação explícita entre as palavras por intermédio da conjunção comparativa:

Sua boca é como um cadeado
E meu corpo é como uma fogueira.

Antítese:

Como o próprio nome já diz, a figura consiste no jogo contrário de ideias:

Eu adoro o dia, mas admiro a noite.
Contemplo o sol, enalteço a chuva.

Metonímia

É a substituição de uma palavra por outra, estabelecendo uma relação de sentido entre ambas:

Adoro ler Machado de Assis. (a obra)

Figuras de pensamento:

Eufemismo:

É o emprego de uma expressão com o objetivo de suavizar a mensagem, diversificando-a do seu sentido literal:

Meu amigo entregou a alma a Deus. (para não dizer: Meu amigo morreu!)

Hipérbole:

Consiste no exagero intencional atribuído ao sentido das palavras:

Aquele garoto é um poço de ignorância
Chorarei um mar de lágrimas até que você volte.

Personificação ou prosopopeia:

É o emprego de características humanas a seres inanimados:

O mar está mostrando a sua face mais bela.

Por Vânia Duarte
Graduada em Letras

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

DUARTE, Vânia Maria Do Nascimento. "Figuras de Linguagem"; Brasil Escola. Disponível em <http://www.brasilescola.com/redacao/figuras-de-linguagem.htm>. Acesso em 31 de agosto de 2015.

DEIXE SEU COMENTÁRIO
  • flavia thais rodrigues de limasábado | 28/06/2014 10:25Hs
    ótimo!
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cursos Brasil Escola + DE 1000 OPÇÕES >> INVISTA EM SUA CARREIRA! <<
AULAS AO VIVO DO ENEM
AULAS AO VIVO DO ENEM
12x R$ 20,83

sem juros

COMPRAR
Motivação a Leitura e a Escrita
MOTIVAÇÃO A LEITURA E A ESCRITA
12x R$ 6,66

sem juros

COMPRAR
PORTUGUÊS PARA O ENEM
PORTUGUÊS PARA O ENEM
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos sobre química
CURSO DE QUÍMICA
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
R7 Educação