Topo
pesquisar

Química das Anfetaminas

Química

As anfetaminas, conhecidas como bolinhas, são substâncias orgânicas do grupo das aminas, que imitam a atividade da adrenalina, agindo como estimulantes.
PUBLICIDADE

Definição conceitual de anfetaminas

Nas guerras, essas substâncias são usadas pelos soldados que desejam se manter alertas e acordados.

As anfetaminas são compostos sintéticos que foram produzidos com o objetivo de imitar a função da adrenalina, um mecanismo de defesa natural de nosso organismo. Quando levamos um susto ou estamos realmente em perigo, a concentração da adrenalina no sangue aumenta e, como resultado, os batimentos cardíacos e a pressão arterial também se elevam, dando-nos mais energia para correr ou enfrentar o perigo.

Abaixo estão as estruturas químicas da adrenalina e do primeiro composto produzido como anfetamina, a benzedrina. Compare as estruturas e veja que são semelhantes e, portanto, os seus efeitos também o são:

Estruturas químicas da adrenalina e da benzedrina

Popularmente, as anfetaminas são conhecidas como “bolinhas” e muitas pessoas que querem ficar acordadas fazem seu uso, como, por exemplo, motoristas de caminhões e estudantes que precisam estudar longas horas para provas.

A anfetamina é conhecida como bolinha

No entanto, o uso e a venda das anfetaminas em farmácias são controlados por receita médica, porque seu uso prolongado pode causar, além da dependência química, dores de cabeça, palpitações, aumento crônico da pressão arterial e “psicose de anfetamina”, que é uma crise parecida com esquizofrenia, na qual a pessoa tem alucinações e se torna mais agressiva.

Só para citar um exemplo, o livro Farmacologia, de H. P. Rang e M. M. Dale, na página 449, menciona certo estudante de medicina que tinha consumido muita anfetamina para estudar para uma prova. Ele saiu confiante da avaliação, acreditando que tinha se saído muito bem. Porém, ele havia apenas escrito o seu nome várias vezes na folha da prova.

Muitos confundem o ecstasy com as anfetaminas ou metanfetaminas. Mas, na realidade, o ecstasy é o 3,4-metilenodioximetanfetamina, que é um derivado da anfetamina. O seu uso também é muito prejudicial à saúde, podendo causar a hipertermia, isto é, um aumento da temperatura do corpo, fazendo o sangue coagular, causando convulsões e paradas cardíacas. Podem acontecer também outros efeitos adversos de seu uso, como problemas renais, alucinações, crises de pânico e hepatite tóxica.

Fórmula e comprimidos de ecstasy


Por Jennifer Fogaça
Graduada em Química

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

FOGAçA, Jennifer Rocha Vargas. "Química das Anfetaminas"; Brasil Escola. Disponível em <http://www.brasilescola.com/quimica/quimica-das-anfetaminas.htm>. Acesso em 30 de agosto de 2015.

DEIXE SEU COMENTÁRIO
  • samanta fernandaterça-feira | 23/04/2013 13:07Hs
    isso e muito legal................ para ficarmos alertas.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cursos Brasil Escola + DE 1000 OPÇÕES >> INVISTA EM SUA CARREIRA! <<
AULAS AO VIVO DO ENEM
AULAS AO VIVO DO ENEM
12x R$ 20,83

sem juros

COMPRAR
Motivação a Leitura e a Escrita
MOTIVAÇÃO A LEITURA E A ESCRITA
12x R$ 6,66

sem juros

COMPRAR
PORTUGUÊS PARA O ENEM
PORTUGUÊS PARA O ENEM
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos sobre química
CURSO DE QUÍMICA
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
R7 Educação