Topo
pesquisar

Frustração

Psicologia

Frustração é um sentimento de tristeza ou aborrecimento diante da expectativa não realizada.
PUBLICIDADE

O que é Frustração?

Frustração é o sentimento decorrente da não realização de um desejo ou tendência, ou seja, é a reação diante da expectativa não correspondida. Para entender melhor, podemos dizer que é aquilo que sentimos quando algo que queremos ou esperamos não acontece. Essa não satisfação do desejo gera uma espécie de tensão interna, experienciada, geralmente, como uma sensação de tristeza e aborrecimento ou, em alguns casos, de desespero.

Como diferenciar tristeza e frustração?

É importante, especialmente na infância, que os pais, cuidadores e educadores, sejam capazes de perceber quando a criança está triste e quando se sente frustrada. Na vida adulta, essa distinção também é relevante. Isso porque, apesar de apresentarem sintomas muito parecidos, os dois sentimentos têm origens e consequências bastante distintas. Quando uma expectativa é frustrada, os sentimentos de tristeza levam a atitudes de mudança e a uma melhor adaptação do sujeito, que é completamente diferente dos casos de Depressão, por exemplo, em que a tristeza também é sintoma característico.

Para exemplificar, vamos tomar a situação de uma pessoa que não consegue o emprego que almejava. Quando há uma frustração, esse sentimento está ligado a essa situação específica e pode gerar o desejo de aprimoramento para tentar outros empregos. No caso de uma Depressão, esse acontecimento seria apenas mais um dos motivos para o desânimo, uma vez que a tristeza não está ligada a causas específicas e pode imobilizar o sujeito.

A frustração é importante?

Apesar de parecer um sentimento decorrente de situações de fracasso, a frustração é de extrema importância para a constituição psicológica dos indivíduos. Alguns autores descrevem a frustração como necessária ao desenvolvimento infantil. Em níveis suportáveis, a falta, a carência ou a desilusão estão associadas ao desenvolvimento da capacidade de adiar gratificações, que é fundamental para a vida em sociedade. Nesse sentido, evitar frustrações pode ser um dos fatores de uma formação adaptativa deficiente: uma criança muito protegida ou cujos desejos foram sempre imediatamente satisfeitos pode ter dificuldades em compreender a realidade da existência adulta, em que o desejo e a satisfação estão cada vez mais distantes e exigem cada vez mais trabalho e dedicação. Uma criança despreparada para suportar frustrações pode se transformar em um adulto que desenvolve crises emocionais por razões ínfimas ou que se sente constantemente insatisfeito.

Não se pode, todavia, resumir a dificuldade adaptativa dos adultos à superproteção dos pais, já que existem outros fatores que influenciam nessa formação deficiente, como a cultura e as formas de organização da sociedade.

Na sociedade em que vivemos, o prazer e a satisfação são constantemente cultuados e a frustração aparece como a pior experiência. Todos os esforços estão voltados para evitá-la. A medicina se esforça para evitar as dores, entorpecendo seus pacientes. As escolas se esforçam para satisfazer os desejos de crianças e seus pais. As políticas públicas se empenham em produzir conforto psicológico, oferecendo a sensação de segurança que as pessoas necessitam para não pensarem em situações desconfortantes, como a realidade em que vivem. Nesse sentido, a inadaptação é generalizada: os adultos e crianças, incapazes de experienciar a frustração, porque foram despreparados para isso, são inundados por falsas realizações e se apegam ao conforto proporcionado artificialmente por elas. Falar em frustração está longe de se resumir ao sentimento de tristeza ou aborrecimento, antes disso, está na importância de ressaltar que a habilidade de adiar a recompensa é uma capacidade adaptativa que está sendo perdida por grande parte das pessoas.


​Juliana Spinelli Ferrari
Colaboradora Brasil Escola
Graduada em psicologia pela UNESP - Universidade Estadual Paulista
Curso de psicoterapia breve pela FUNDEB - Fundação para o Desenvolvimento de Bauru
Mestranda em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela USP - Universidade de São Paulo

DEIXE SEU COMENTÁRIO
  • Cirtaquinta-feira | 29/01/2015 15:18Hs
    Texto muito bom!!!!
  • Diegosegunda-feira | 20/10/2014 10:21Hs
    Poderia conter a data de publicacao do texto, pois serviria como fonte de citações.
    • Dalila Rodrigues Matiassegunda-feira | 20/10/2014 15:45Hs
      Olá Diego. O artigo foi publicado em 2007.
      Equipe Brasil Escola
      3 2
  • celio sábado | 13/09/2014 19:05Hs
    regular porque uma coisa ruim, não pode produzir coisas boas, jamais podemos acreditar que a frustração é coisa positiva pra o individuo. um individuo frustrado ele não produz. enquanto o outro não frustrado produz. que tal pensarmos no inverso da frustração. ai sim seria um fator positivo, bom ou otimo...
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cursos Brasil Escola + DE 1000 OPÇÕES >> INVISTA EM SUA CARREIRA! <<
Conteúdos exclusivos de ciências para crianças.
NOÇÕES DA REFORMA ORTOGRÁFICA
12x R$ 6,66

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos sobre redação
CURSO DE REDAÇÃO
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
CURSO DE HISTÓRIA
CURSO DE HISTÓRIA
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos sobre o ENEM.
PREPARATÓRIO ENEM 2015
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
R7 Educação