Topo
pesquisar

Luis Camões

Literatura

PUBLICIDADE

Expressão acabada das glórias de sua terra e do homem renovado pela Renascença, Camões consolidou a língua portuguesa e conferiu-lhe amplitude, aptidão e maleabilidade capazes de abarcar motivos de significado nacional e universal ao mesmo tempo.
Luís Vaz de Camões nasceu provavelmente em Lisboa em 1524 ou, para outros, 1525. Sua família era de pequenas posses, mas freqüentava a corte ou ocupava cargos importantes, como o do tio que era prior do mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra, onde o poeta teria feito o curso de artes. Graças a esse começo se firmaram as bases de sua sólida formação cultural, que levou Wilhelm Storck a chamá-lo "filho legítimo do Renascimento, e humanista dos mais doutos e distintos de seu tempo".

De 1542 a 1545 parece ter morado em Lisboa, vivendo as primeiras paixões amorosas e dificuldades com o meio. Não se sabe com certeza por que foi forçado a trocar a capital pelo desterro no Ribatejo, mas por volta de 1547 se alistou no serviço militar e seguiu para o norte da África. Em combate perto de Ceuta, no Marrocos, perdeu o olho direito. De volta a Lisboa em 1549, conviveu um tanto com a nobreza, outro tanto com a noite das ruas e dos bordéis. Impetuoso, em 1552 feriu à espada um cavalariço do rei e foi condenado a um ano de prisão.
Após o indulto de D. João III, em março de 1553, Camões partiu para a Índia. Pouco parou em Goa: participou da expedição ao Malabar e talvez de um cruzeiro contra navios turcos no mar Vermelho. Sua estada em Macau, no cargo de provedor dos defuntos e ausentes, mais ou menos de 1556 a 1558, não é tida como certa. O que não se põe em dúvida é que, em viagem às costas da China, naufragou nas proximidades do atual Vietnã, salvando-se a nado com o manuscrito de Os lusíadas já bastante adiantado. Esteve ainda na Malásia e retornou a Goa, quando de novo teria sido preso, desta vez por dívidas. Mais tarde viveu em Moçambique, onde Diogo do Couto o encontrou "tão pobre que comia de amigos".

Com o favor desses amigos, o poeta em 1569 regressou a Lisboa. Bateu-se, então, pela publicação de Os lusíadas. Em 1571 a Inquisição lhe outorgou a licença requerida e a obra, depois de censurada, teve em 1572 sua primeira edição. No mesmo ano, o rei D. Sebastião lhe concedeu a tença de 15 mil réis, quantia sobre cujo valor há muita discussão mas que a maior parte dos estudiosos julga insignificante, ainda mais que lhe não foi paga com regularidade. Os últimos anos foram portanto de miséria e de "austera, apagada e vil tristeza".
Caracterização geral. Além de Os lusíadas, só três ou quatro poemas de Camões foram publicados durante sua vida. A maior parte da obra lírica, tal como os autos e as cartas, permaneceu inédita. A tarefa de identificar e reunir esse material precioso, a que a celebridade e grandeza do prodígio épico emprestavam aura de objeto de devoção, mobilizou muita gente, ao longo de largos anos.

Assim é que a organização da obra tem história à parte, de que um dos primeiros passos foi a publicação em 1587, por Afonso Lopes, dos autos Anfitriões e Filodemo. Seguiu-se a primeira coletânea das líricas, com o título de Rimas (1595), devida a Estêvão Lopes. Sucederam-se outras edições, expurgadas de poemas presumivelmente apócrifos ou acrescidas de dezenas de outros, às vezes duvidosos. A primeira obra completa só apareceu em 1860, preparada pelo visconde de Juromenha: os sonetos, inicialmente 108, chegavam a 352.
Do final do século XIX em diante se fizeram edições mais criteriosas, apoiadas nos trabalhos de Wilhelm Storck, Carolina Michaëlis, Agostinho de Campos, Costa Pimpão, José Maria Rodrigues, Afonso Lopes Vieira e Hernâni Cidade. Mais recentemente, pesquisadores como Jorge de Sena, Eugênio de Andrade e Emanuel Pereira Filho fixaram o extraordinário legado camoniano nos seguintes termos: Os lusíadas, 211 sonetos, 142 redondilhas, 15 canções, 13 odes, nove éclogas, cinco oitavas, quatro cartas e três autos (além dos mencionados, El-rei Seleuco).
Poesia épica. Camões é sobretudo síntese de uma época e de um povo, do espírito humanista -- com seus vastos conhecimentos, sua filosofia, sua ética -- somado à realização histórica e política da expansão marítima portuguesa. Testemunha viva e transformadora, cruzou os mares, se engajou pessoalmente nessa expansão e, imbuído daquele espírito, fez dela um monumento de arte literária.

Nesse sentido, em dimensão assim tão integrada e completa, é caso único na história da poesia e é, mais do que tudo, o autor de Os lusíadas.
O poema divide-se em dez cantos de oitava rima, estância de oito versos decassílabos. O motivo central é a viagem de Vasco da Gama em busca do caminho para as Índias pelo Ocidente. Em torno desse fio condutor se fazem retrospectos e projeções da história de Portugal, entretecendo-se os personagens ou façanhas lusíadas e os seres ou feitos mitológicos, a ajuda dos deuses.
Desse modo figuras efetivamente históricas como Nuno Álvares Pereira ou Inês de Castro se tornam também mitos e heróis do mesmo Olimpo de celebração. A mescla de ideais e símbolos cristãos com a mitologia greco-romana, que a alguns causou estranheza, é inerente à posição de Camões como renascentista e aos padrões estéticos correspondentes. Ainda assim ele a transcende inteiramente, com o domínio de todos os ritmos, gêneros e técnicas que conheceu, com a vasta riqueza de suas imagens, sua sensualidade audaciosa e que impregna tantos versos, ou a agudeza de uma reflexão que vai ao fundo dos seres e das coisas, e abrange todas as contradições da condição humana.

O poema tem lição e encanto permanentes, sempre tão criativo quanto crítico: ainda que épico, logo em seguida à "fúria grande e sonorosa" diz da fragilidade e insegurança da vida, para "um bicho da terra vil e tão pequeno" (cantos I, II); exorta ao amor e à piedade nas páginas pungentes de Inês de Castro (canto III); mas sabe reerguer o clangor e a aspereza feroz da batalha de Aljubarrota, ou a dedicação maior que a própria existência, e destilar a tremenda meditação sobre a fatuidade da glória e do poder, a "vã cobiça" da fama, nos versos do velho do Restelo (canto IV) e no canto VI; assombra o leitor com a poderosa recriação zoomórfica da tromba-d'água, e com a invenção genialmente plástica, goyesca com dois séculos à frente, do gigante Adamastor (canto V); e abriga a moral do cavalheirismo e do desprendimento amoroso no episódio dos Doze da Inglaterra (canto VI); ou a ética que verbera a ambição política corrupta e socialmente iníqua, nas últimas oitavas dos cantos VII e VIII, ou no início do IX; depois, traz a maravilha do presente de Vênus aos navegantes: o paraíso erótico e o que no século XX se dirá santuário ecológico da ilha dos Amores, painel pagão de colorido admirável, súmula de um hedonismo que, na vida e obra camonianas, conflita com as idealizações ora cristãs, ora platônicas (canto IX); por fim, expõe sua resplandescente cosmologia ptolomaica e imprime tom elegíaco, de palavras proféticas, ao final (canto X). Em todas as mais de mil estâncias, um talento capaz de expressar e transfigurar qualquer coisa, das maiores às menores, das mais concretas às mais abstratas, das mais solenes às mais cotidianas.

Lírica. Tanto nos sonetos quanto nas redondilhas, Camões é também poeta e pensador, em que a sensibilidade e a consciência interagem com equilíbrio incomparável. O aspecto neoplatônico e idealista, de modelo petrarquiano, se funde à materialidade do toque dionisíaco pelo qual o amor, se "está no pensamento como idéia", também é "fogo que arde sem se ver". Tanto que ao tema dos bens e males do amor se juntam os da má sorte, do exílio em suas várias acepções, da transitoriedade dos dias, da mudança: em um soneto, "mudam-se os tempos, mudam-se as vontades"; ou, em "Babel e Sião", "E vi que todos os danos / Se causavam das mudanças, / e as mudanças dos anos". Nesse ponto o poeta está muito adiante de Petrarca e a um passo do barroco conceptista, tanto no conteúdo, como na forma: o soneto adquire inflexão emotiva mais direta e a redondilha herdada do Cancioneiro geral se faz poesia filosófica.

Quer na lírica, quer na épica, o gênio de Camões é daqueles, muito raros, que se mostram continuamente aptos a proporcionar o encontro com o sublime, a solução ao mesmo tempo mágica e de extrema inteligência, o acerto ou revelação definitiva, que magnetiza o leitor e o eleva, de súbito, a um outro estado de percepção. Às vezes, isso se instala em um ou outro de seus versos, pois o poeta é senhor de alguns dos mais perfeitos da língua, como, no soneto sobre Jacó, o remate "para tão longo amor tão curta a vida".
Autos e cartas. Ficaram ainda, da obra camoniana, autos e cartas. De matriz vicentina, os autos de Camões desenvolvem o traço coloquial que muitas vezes se insinua em sua lírica e, para bom observador, até no texto de Os lusíadas.

Essa tendência lhes dá leveza dramática e acentua as surpresas de sua face burlesca. Um desses autos, o Filodemo, a tradição reza ter sido encenado pelo autor em Goa, em 1556.
Nas poucas cartas que sobreviveram das muitas escritas por Camões, entrevê-se muito de seu estilo poético: em algumas descreve para um amigo a vida social de Lisboa, seus costumes e pecados. Com ironia ácida, ataca a hipocrisia das relações mundanas e as contrapõe às doçuras da vida no campo, de onde o amigo escrevera. Em uma carta que envia da Índia, ao contrário, está saudoso de Portugal e horrorizado com aqueles trópicos também tristes, de que diz: "Da terra vos sei dizer que é mãe de vilões ruins e madrasta de homens honrados." Luís Vaz de Camões morreu em Lisboa em 10 de junho de 1580. Seus restos mortais desapareceram.

Escritores - Literatura - Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

VILARINHO, Sabrina. "Luis Camões"; Brasil Escola. Disponível em <http://www.brasilescola.com/literatura/luis-camoes.htm>. Acesso em 30 de agosto de 2015.

DEIXE SEU COMENTÁRIO
  • Joceilma Ferreira Dantassábado | 28/02/2015 22:24Hs
    Parabéns, muito significante e auxiliador para nossas buscas.
  • Carlossexta-feira | 26/09/2014 19:11Hs
    Muito bom tambem ajudou muito no meu trabalho de escola
  • ericson quinta-feira | 25/09/2014 17:26Hs
    Muito bomm.
  • lucianoquarta-feira | 26/03/2014 21:19Hs
    Para uma A -miga... O fogo que na branda cera ardia O fogo que na branda cera ardia, Vendo o rosto gentil que na alma vejo. Se acendeu de outro fogo do desejo, Por alcançar a luz que vence o dia. Como de dois ardores se incendia, Da grande impaciência fez despejo, E, remetendo com furor sobejo, Vos foi beijar na parte onde se via. Ditosa aquela flama, que se atreve Apagar seus ardores e tormentos Na vista do que o mundo tremer deve! Namoram-se, Senhora, os Elementos De vós, e queima o fogo aquela nave Que queima corações e pensamentos. Luís de Camões
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cursos Brasil Escola + DE 1000 OPÇÕES >> INVISTA EM SUA CARREIRA! <<
AULAS AO VIVO DO ENEM
AULAS AO VIVO DO ENEM
12x R$ 20,83

sem juros

COMPRAR
Motivação a Leitura e a Escrita
MOTIVAÇÃO A LEITURA E A ESCRITA
12x R$ 6,66

sem juros

COMPRAR
PORTUGUÊS PARA O ENEM
PORTUGUÊS PARA O ENEM
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos sobre química
CURSO DE QUÍMICA
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
R7 Educação