Topo
pesquisar

Casimiro de Abreu

Literatura

Casimiro José Marques de Abreu nasceu em Barra de São João (RJ) no dia 4 de janeiro de 1839 e faleceu em Barra de São João (RJ) em 18 de outubro de 1860.

Seu pai era comerciante e queria que o filho seguisse a mesma carreira. Casimiro de Abreu partiu para Lisboa, a fim de estudar. Nesta mesma cidade, manteve contato com o meio intelectual e de volta ao Brasil começou a escrever para jornais.

Suas poesias são de linguagem simples, fácil, com temas já abordados por outros autores e rimas pobres.

Podemos destacar a aproximação do autor com Álvares de Azevedo pela melancolia e o saudosismo a respeito da infância e da figura da mãe e da irmã; o nacionalismo em poesias de exaltação à pátria, tema comum das poesias de Gonçalves Dias.

Casimiro de Abreu tornou-se um dos poetas mais conhecidos do Romantismo justamente porque tem características na linguagem que o aproximam da fala popular.

Casimiro de Abreu faleceu vitimado pela tuberculose aos 21 anos de idade.

Sua obra poética está reunida em um volume intitulado “As primaveras”, de 1859. Sua poesia mais notória é “Meus oito anos”, na qual o saudosismo da infância é claramente expresso. Veja um trecho:

Oh ! que saudades que eu tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais !
Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais !
Como são belos os dias
Do despontar da existência !
- Respira a alma inocência
Como perfumes a flor;
O mar é - lago sereno,
O céu - um manto azulado,
O mundo - um sonho dourado,
A vida - um hino d’amor !
Que auroras, que sol, que vida,
Que noites de melodia
Naquela doce alegria,
Naquele ingênuo folgar !
O céu bordado d’estrelas,
A terra de aromas cheia,
As ondas beijando a areia
E a lua beijando o mar !
Oh ! dias de minha infância !
Oh ! meu céu de primavera !
Que doce a vida não era
Nessa risonha manhã !
Em vez de mágoas de agora,
Eu tinha nessas delícias
De minha mãe as carícias
E beijos de minha irmã !

Obras: Poesia: Primaveras (1859).

Teatro: Camões e o jau (1856).

Por Sabrina Vilarinho
Graduada em Letras
Equipe Brasil Escola

Veja mais!

Alberto de Oliveira - O mestre do Parnasianismo!

Escritores - Literatura - Brasil Escola

DEIXE SEU COMENTÁRIO
  • tatasegunda-feira | 02/03/2015 13:25Hs
    Sou louca por ele e por alvares de azevedo queria ser inteligente igual eles pena que sou burra.
  • andressasexta-feira | 02/05/2014 17:47Hs
    foi de grande ajuda, obg
  • lucasterça-feira | 23/04/2013 20:55Hs
    gostei muito
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cursos Brasil Escola + DE 1000 OPÇÕES >> INVISTA EM SUA CARREIRA! <<
Conteúdos exclusivos de literatura.
CURSO DE LITERATURA
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos de física.
CURSO DE FÍSICA
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos de matemática.
CURSO DE MATEMÁTICA
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos de redação.
CURSO DE TÉCNICAS DE REDAÇÃO
12x R$ 6,66

sem juros

COMPRAR
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
R7 Educação