Topo
pesquisar

Aspectos Naturais do Japão

Japão

Fragmentado em milhares de ilhas, o território do Japão é pequeno se comparado a sua grande população.
PUBLICIDADE

O Japão é um arquipélago no Pacífico, separado da costa leste da Ásia (China e Coreias) pelo Mar do Japão, ao sul pelo Mar da China Oriental (China e Taiwan) e ao norte pelo Mar de Okhotsk, em direção da Rússia, possuindo uma área total de 377.835 km². Sua superfície está intensamente fragmentada, com seu território distribuído por mais de 6.000 ilhas, sendo as quatro principais Hokkaido, a mais setentrional e fria, Honshu, a maior e mais populosa, Shikoku, a menor e menos populosa, e finalmente Kyushu, mais ao sul.

O relevo do país é formado fundamentalmente por montanhas, constituído por uma secção da era Cenozoica – relativamente recente, com menos de 65 milhões de anos – no nordeste e uma secção originada entre as eras Mesozoica e Paleozoica no sudeste, o que explica a carência de recursos minerais. A presença de minerais metálicos como ferro, ouro, manganês, entre outros, está condicionada a formações geológicas antigas, com pelo menos 2 bilhões de anos. Tal fator natural exigiu do Japão a conquista de porções da Manchúria chinesa e da Península da Coreia para sustentar o crescimento industrial japonês entre o final do século XIX e o início do século XX.

Ainda com relação às questões relacionadas ao relevo, o país está localizado próximo ao contato entre quatro placas tectônicas (Placa das Filipinas, Placa do Pacífico, Placa Euroasiática e Placa Norte-Americana). A maior parte do Japão está situada em cima da Placa Okhotsk, que por muito tempo foi considerada parte integrante da placa Norte-Americana. Além da formação de cadeias montanhosas, essa localização torna o Japão um país com altos níveis de instabilidade tectônica, com a presença de vulcanismo ativo, fazendo parte de uma zona conhecida como Círculo de Fogo do Pacífico, que concentra os maiores vulcões em atividade do planeta.

Outra consequência dessa localização é a vulnerabilidade a abalos sísmicos e tsunamis, nas mais diversas intensidades. Mesmo com estudos fundamentados em séculos de observação e alto nível de pesquisas geológicas, é praticamente impossível prever um grande terremoto com uma antecedência que permita a evacuação preventiva das áreas. Os danos provocados pelos terremotos de grande magnitude são igualmente imprevisíveis, como o tremor de 8,9° na escala Richter ocorrido no dia 11 de março 2011 que desencadeou um tsunami com cerca de 10 metros de altura, que entre tantos estragos causou o acidente na usina nuclear de Fukushima.

Como quase 80% do relevo japonês é formado por montanhas, as planícies litorâneas concentram a maioria da população, promovendo a potencialização dos recursos com a utilização de técnicas como a polderização, principalmente para aumentar as restritas terras agrícolas. Em função da grande quantidade de áreas montanhosas, os rios japoneses são pouco extensos, mas intensamente aproveitados, principalmente para a geração de energia e irrigação.

Seu clima, ao norte, recebe influência das massas frias e secas que se deslocam da Sibéria, da corrente fria de Oya Shivo (Curilas) e das monções de inverno, configurando um clima temperado frio. Na porção central do país predomina o clima temperado oceânico influenciado pela corrente quente de Kuro Shivo (Corrente do Japão) que ameniza as temperaturas no inverno. Ao sul, o clima predominante é o subtropical, influenciado pela corrente quente e pelas monções de verão, que aumentam a quantidade de chuvas.

Em virtude das variações climáticas e da presença de diferentes altitudes, podemos afirmar que o Japão possui uma variedade em seus aspectos de flora e fauna, mas como o Japão é um país altamente urbanizado, com grande concentração populacional, a vegetação nativa do país ocorre em áreas bastante restritas. Em algumas localidades, a atividade agrícola acaba se confundindo com as paisagens naturais. Na ilha Kyushu, a presença das monções de verão e da corrente quente Kuro Shivo contribui para a formação de maior biodiversidade. Existem remanescentes de floresta subtropical ao sul e de floresta decídua na porção central. Nos trechos localizados mais ao norte do país ocorrem as coníferas.


Júlio César Lázaro da Silva
Colaborador Brasil Escola
Graduado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista - UNESP
Mestre em Geografia Humana pela Universidade Estadual Paulista - UNESP

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Júlio César Lázaro Da. "Aspectos Naturais do Japão"; Brasil Escola. Disponível em <http://www.brasilescola.com/japao/geografia-japao.htm>. Acesso em 05 de novembro de 2015.

DEIXE SEU COMENTÁRIO
  • Sidneia Teixeiraterça-feira | 07/07/2015 19:11Hs
    Explique essa distribuição da população japonesa, levando em consideração o relevo do país.
  • SILVANA DE OLIVEIRA LEITEquarta-feira | 03/09/2014 11:13Hs
    Muito bom!!!
  • josineide moreiraterça-feira | 26/08/2014 01:35Hs
    gostei muito deste texto so serviu para preencher meus conhecimentos.
  • Alunoterça-feira | 06/05/2014 14:06Hs
    Me ajudou muito
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cursos Brasil Escola + DE 1000 OPÇÕES >> INVISTA EM SUA CARREIRA! <<
Conteúdos exclusivos sobre geografia infantil
GEOGRAFIA INFANTIL
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
AULAS AO VIVO DO ENEM
AULAS AO VIVO DO ENEM
12x R$ 20,83

sem juros

COMPRAR
Motivação a Leitura e a Escrita
CURSO DE FRANCÊS
12x R$ 6,66

sem juros

COMPRAR
PREPARATÓRIO PARA O ENEM
PREPARATÓRIO ENEM 2015
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
R7 Educação