Topo
pesquisar

A conversão religiosa dos bárbaros

História Geral

Ao longo de sua trajetória, a Igreja Cristã teve grande papel na divulgação e expansão do cristianismo pelos vastos territórios dominados pela população romana. Inicialmente, como bem sabemos, os cristãos realizavam a pregação do Cristianismo, mesmo com as perseguições empreendidas pelos romanos que se opunham ferrenhamente ao conteúdo das crenças disseminadas. Com o crescimento da religião, o Império Romano acabou revertendo tal situação ao oficializar o Cristianismo e, desse modo, observamos a configuração de uma hierarquia que mais tarde consolidaria a presença da Igreja como instituição atuante.

Entre os séculos III e IV, a Igreja Cristã realizava a disseminação do Cristianismo com o apoio do Império Romano, que oferecia enormes facilidades para que populações inteiras paulatinamente se voltassem para a nova religião. Contudo, essa situação veio a se transformar com o advento das invasões bárbaras, as quais trouxeram uma variedade de povos, culturas e crenças para os antigos domínios imperiais. A partir de então, diferentes estratégias deveriam ser elaboradas para que os clérigos cristãos conseguissem penetrar no interior dos recém-formados reinos bárbaros e, de tal forma, garantir a sobrevivência da religião.

Inicialmente, vemos que a ação da Igreja se concentrou na formação de mosteiros em regiões rurais, na promoção de estratégias que aproximassem os clérigos dos monarcas e na melhoria da formação dos membros cristãos que promoveriam o diálogo junto às populações pagãs. No entanto, devemos salientar que esse processo de diálogo para com os povos bárbaros, aconteceu muito mais em função de práticas que não só apresentavam uma nova religião, mas também colocavam em voga vários hábitos, instituições e modelos provenientes da própria cultura clássica que se mostrava viva, apesar da crise romana.

De forma alguma, não podemos apontar que tal experiência fosse determinante para que a cultura dos povos bárbaros desaparecesse ou que a Igreja tivesse seus esforços radicalmente voltados para tal objetivo. Ao mesmo tempo em que as conversões aconteciam, o processo de unificação de tribos em reinos unificados, as novas rivalidades experimentadas e a modificação das estruturas sociais bárbaras também atuavam na formação de um novo mosaico cultural. Com isso, percebemos que a cristianização ou ocidentalização dos bárbaros esteve longe de configurar um tipo de transformação histórica imposta de cima para baixo.

Ao longo do tempo, podemos ver que as formas de representação da crença cristã, a organização dos calendários, o reconhecimento da santidade de alguns indivíduos e a formação dos movimentos heréticos nos indicavam um movimento de penetração da cultura bárbara em direção ao Cristianismo. Por outro lado, a consolidação da hierarquia, a manutenção de importantes traços da cultura greco-romana e o poder de mobilização da Igreja indicavam o sentido contrário dessa relação. Com isso, percebemos que as negociações e trocas culturais são bem mais eficazes para enxergarmos o mundo formado por bárbaros e cristãos ao longo da Idade Média.

Por Rainer Sousa
Graduado em História

DEIXE SEU COMENTÁRIO
  • PAULO CESARquarta-feira | 21/01/2015 10:31Hs
    Não sei se o cristianismo pregado na Europa foi verdadeiramente bom. Nos anos 1200 o cristianismo existente na época perseguiu os Cátaros um povo cristão gnóstico que pregava a pureza do ser e a reencarnação, foram dizimados pela igreja romana (única na época) por apenas pensar diferente do Império. Depois vieram as perseguições contra os muçulmanos e depois as terríveis folgueiras da Santa Inquisição.
  • Elen Cristinadomingo | 16/11/2014 09:57Hs
    O processo da entrada do povos bárbaros está completa
  • cirle maiara gomes dos santosterça-feira | 16/04/2013 14:59Hs
    muito bom
  • Joabesexta-feira | 12/04/2013 11:47Hs
    A igreja cristã, sempre esteve atuante, mesmo que não de forma oficial. As conquistas católicas foram em favor do catolicismo, e tiveram muitos erros como várias outras linhas cristãs tiveram e tem. Se for observado as críticas ao catolicismo são as mesmas de mil anos atrás e partem mais de próprios cristãos que dos não-cristãos. Mas esse texo refleti mais uma questão política que religiosa. É um bom texto.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cursos Brasil Escola + DE 1000 OPÇÕES >> INVISTA EM SUA CARREIRA! <<
Conteúdos exclusivos de literatura.
CURSO DE LITERATURA
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos de física.
CURSO DE FÍSICA
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos de matemática.
CURSO DE MATEMÁTICA
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos de redação.
CURSO DE TÉCNICAS DE REDAÇÃO
12x R$ 6,66

sem juros

COMPRAR
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
R7 Educação