Topo
pesquisar

Aclamação de Amador Bueno

História do Brasil

PUBLICIDADE

O advento da União Ibérica, apesar de não promover a mudança dos grupos sociais que controlavam o poder no Brasil colonial, estabeleceu uma série de mudanças sobre alguns aspectos da colônia. A dominação espanhola significou o fim do Tratado de Tordesilhas e a crise no abastecimento de escravos africanos em terras brasileiras. Nesse contexto é que percebemos a ascensão dos bandeirantes no interior da colônia.

Embrenhando-se pelas matas do interior, os bandeirantes aventuravam-se em busca das drogas do sertão, a recaptura dos escravos africanos fugidos nos quilombos e a prospecção aurífera. Além dessas atividades, os bandeirantes tinham grandes lucros com o apresamento de índios destinados ao trabalho escravo nas grandes propriedades da região litorânea. A falta de escravos africanos e o valor mais baixo do escravo indígena criaram um amplo mercado consumidor desse tipo de mão-de-obra.

A comercialização desses índios escravizados desenvolveu-se a ponto dos bandeirantes passarem a estabelecer contatos com os colonizadores espanhóis da região do Rio da Prata. Toda essa rede de negócio estabelecida teve sua ação empreendida ao longo dos séculos XVI e XVII, e já representava uma importante atividade comercial no interior da colônia. Até mesmo alguns fazendeiros chegaram a se envolver com a captura e venda de mão-de-obra indígena.

Com o fim da União Ibérica, em 1640, a Coroa Portuguesa interferiu diretamente na questão da escravização indígena. Economicamente enfraquecidos com o período de dominação hispânica, Portugal proibiu a escravização dos índios. Com tal medida, a Coroa portuguesa buscava ampliar seus lucros com o comércio dos escravos africanos trazidos das regiões da costa africana.

Sentindo-se diretamente prejudicados com tal medida, um grupo de bandeirantes paulistas organizou uma represália que expulsou os padres jesuítas, também contrários à escravidão indígena, da Vila de São Paulo. Além disso, eles tentaram aliar-se ao fazendeiro e bandeirante Amador Bueno nessa revolta contra a administração lusitana. Os bandeirantes paulistas pretendiam elevar Amador Bueno à condição de governador de São Paulo.

Amador Bueno, que temia por algum tipo de represália por parte de Portugal, não aderiu ao movimento e jurou fidelidade à Coroa. Com isso, o movimento dos bandeirantes paulistas perdeu sua sustentação e a ordem pelo fim da escravidão indígena foi mantida.

Por Rainer Sousa
Graduado em História

DEIXE SEU COMENTÁRIO
  • Giih Paganoquinta-feira | 21/08/2014 15:37Hs
    Muito obrigado! ajudou na minha pesquisa de escola ! ;)
  • Samueldomingo | 17/04/2011 21:57Hs
    Muito bom cara, os textos são bem elaborados, parabéns..
  • polianasegunda-feira | 13/12/2010 19:43Hs
    amei amei amei esse brasil escola os textos sao perfeitos
  • gabriellyquinta-feira | 09/12/2010 19:43Hs
    adorei o brasil escola explica bastante as coisas e, aos pouquinhos estou aprendendo sobre o descobrimento do brasil adorei mesmo o brasil escola muito legal
A riqueza da atividade mineradora impulsionou o conflito entre bandeirantes e emboabas.
História do Brasil Guerra dos Emboabas
A escravidão indígena: questão fundamental na Revolta de Beckman
História do Brasil Revolta de Beckman
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cursos Brasil Escola + DE 1000 OPÇÕES >> INVISTA EM SUA CARREIRA! <<
Conteúdos exclusivos de ciências para crianças.
NOÇÕES DA REFORMA ORTOGRÁFICA
12x R$ 6,66

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos sobre redação
CURSO DE REDAÇÃO
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
CURSO DE HISTÓRIA
CURSO DE HISTÓRIA
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos sobre o ENEM.
PREPARATÓRIO ENEM 2015
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
R7 Educação