Topo
pesquisar

O mecenato na história

História

Prática de estímulo a artistas de várias áreas, o mecenato surgiu no Império Romano e até os dias atuais ainda é usado para financiar a produção cultural.

O mecenato é originariamente uma prática de estímulo à produção cultural e artística, que consiste no financiamento de artistas e de suas obras. Além disso, os artistas passavam a viver exclusivamente desse incentivo, ganhando ainda proteção política e prestígio social.

A palavra deriva de Caius Mecenas, político romano, ministro e conselheiro do Imperador Otávio Augusto. Mecenas era um membro da classe dos cavaleiros e um rico cidadão romano que foi incumbido pelo imperador a financiar a produção artística e literária de vários nomes de vulto da cultura romana, como os poetas Virgílio, Horácio e Ovídio, bem como o historiador Tito Lívio.

Durante o período das ações de incentivo à produção cultural de Mecenas e Otávio Augusto, conhecido como o “Século de Augusto”, Roma conheceu importantes mudanças em seu cenário urbano. Templos, teatros, anfiteatros e esculturas foram construídos na capital do Império Romano. Otávio teria dito a seguinte frase sobre essas mudanças: “Orgulho-me de ter encontrado uma cidade de tijolos e ter deixado uma cidade de mármore”.

A prática de incentivar a produção cultural e sustentar materialmente os artistas para que se dedicassem exclusivamente ao desenvolvimento de suas capacidades entrou em declínio com a Idade Média. Porém, durante o Renascimento Cultural europeu e com o enriquecimento de uma parcela dos comerciantes que habitava cidades da Península Itálica durante esse período, a prática do mecenato foi reavivada.

Artistas como Leonardo Da Vince, Sandro Boticelli, Michelangelo Buonarotti, Rafael Sanzio, entre outros, foram financiados pelos mecenas do Renascimento. Esses eram homens enriquecidos com as atividades comerciais ou bancárias e, entre eles, destacaram-se Lourenço de Médici, Cosme de Médici, Galeazzo Maria Sforza (duque de Milão) e mesmo Francisco I, rei da França. A Igreja católica também atuou como importante mecenas no período, financiando, por exemplo, Michelangelo para a criação dos afrescos da Capela Sistina.

Estátua de Cosme de Médici, um dos grandes mecenas do Renascimento
Estátua de Cosme de Médici, um dos grandes mecenas do Renascimento

Além de incentivar a produção cultural, o mecenato tem também um objetivo de dar projeção política aos que destinam recursos financeiros para as produções culturais. O poder político e econômico seria trabalhado de forma articulada com o incentivo cultural, dando projeção social ao mecenas, o que garantia ainda que seu nome fosse ligado durante muito tempo às belas obras de arte produzidas.

A partir do século XIX, com as grandes fortunas proporcionadas pelo capitalismo industrial e financeiro, novamente o mecenato passou a ser realizado com mais intensidade pelos grandes burgueses. Nomes como Guggenheim, Whitney, Rockfeller e Ford investiram fortunas no incentivo cultural nos Estados Unidos, criando fundações que existem até os dias atuais.


Por Tales Pinto
Mestre em História

DEIXE SEU COMENTÁRIO
  • Gabrielterça-feira | 10/03/2015 05:28Hs
    Gostei do texto, mas também gostaria de encontrar a citação completa.
  • MARIA DE FÁTIMAquarta-feira | 18/02/2015 20:52Hs
    Muito bom !
  • mariellydomingo | 06/07/2014 11:32Hs
    achei muito bonito e as figuras tambem amei
  • h7gt786t86fgdomingo | 25/05/2014 14:10Hs
    q texto bom
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cursos Brasil Escola + DE 1000 OPÇÕES >> INVISTA EM SUA CARREIRA! <<
Conteúdos exclusivos de literatura.
CURSO DE LITERATURA
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos de física.
CURSO DE FÍSICA
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos de matemática.
CURSO DE MATEMÁTICA
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos de redação.
CURSO DE TÉCNICAS DE REDAÇÃO
12x R$ 6,66

sem juros

COMPRAR
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
R7 Educação