Topo
pesquisar

Movimento Zapatista

História da América

PUBLICIDADE

A questão social e agrária no México transformou-se em um problema que, ao longo dos anos, arrastou-se em meio a tentativas de transformação e a resposta dos grupos conservadores. Desde as lutas de independência, nenhuma ação política expressiva foi tomada no sentido de melhorar a condição de vida da população. Entre 1910 e 1917, a Revolução Mexicana foi o primeiro grande movimento que lutou em prol das camadas populares e o estabelecimento de uma reforma agrária.

No entanto, os líderes revolucionários Emiliano Zapata e Francisco “Pancho” Villa tiveram seu movimento interrompido com uma violenta reação que culminou com o assassinato de Zapata, em 1919. Um segundo esboço de transformação foi vivido no governo de Lázaro Cárdenas (1934 – 1940), que tentou aprofundar as reformas agrárias, e nacionalizar o setor industrial e energético do México. Mais uma vez, a articulação política conservadora impediu o prosseguimento de tais mudanças.

Os protestos e manifestações populares perderam sua ação mobilizadora frente à dominação massiva das elites junto às instituições governamentais. Na década de 80, no governo de Carlos Salinas, houve uma alteração constitucional que permitia a venda dos ejidos, um tipo de unidade agrícola controlada por pequenos proprietários. Dessa maneira, a exclusão social no campo e nas cidades ganhava contornos cada vez mais injustos.

Foi quando, em 1994, um grupo de camponeses organizou um movimento inspirado na antiga luta empreendida pelo líder revolucionário Emiliano Zapata. O chamado Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN) formou-se inicialmente da mobilização de camponeses indígenas. Seu grande intuito era colocar em pauta a urgência por transformações que atingissem diretamente as populações empobrecidas do México e promovessem a reforma agrária no país.

Liderados pela incógnita figura do Subcomandante Marcos, o movimento ocupou seis cidades da região sul do México. Os revolucionários declararam guerra ao governo e contra as políticas julgadas conservadoras e subservientes aos interesses internacionais. Ao longo de três anos de delicadas negociações, o Exército conseguiu a adesão de um número cada vez maior de integrantes. No ano de 1997, os zapatistas organizaram uma grande marcha que ocupou a Cidade do México reiterando suas exigências.

Com a morosidade das negociações e a resistência do Exército, o governo mexicano decidiu reprimir violentamente os zapatistas. Em dezembro de 1997, um confronto entre as tropas do exército e integrantes do grupo revolucionário resultou na morte de quarenta e cinco membros do EZLN da aldeia de Acteal. Com isso, a questão social do México ganhou espaço na mídia internacional e chamou a atenção do mundo para a crise social e institucional vivida em solo mexicano.

Por Rainer Sousa
Graduado em História

DEIXE SEU COMENTÁRIO
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cursos Brasil Escola + DE 1000 OPÇÕES >> INVISTA EM SUA CARREIRA! <<
AULAS AO VIVO DO ENEM
AULAS AO VIVO DO ENEM
12x R$ 20,83

sem juros

COMPRAR
Motivação a Leitura e a Escrita
MOTIVAÇÃO A LEITURA E A ESCRITA
12x R$ 6,66

sem juros

COMPRAR
PORTUGUÊS PARA O ENEM
PORTUGUÊS PARA O ENEM
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos sobre química
CURSO DE QUÍMICA
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
R7 Educação