Topo
pesquisar

Projeção de Robinson

Geografia

A projeção de Robinson é conhecida por ser a mais utilizada nos livros e atlas atuais.
PUBLICIDADE

A Projeção Cartográfica de Robinson é uma projeção cilíndrica afilática elaborada pelo cartógrafo e geógrafo norte-americano Arthur Robinson (1915-2004) na década de 1960. É classificada como cilíndrica, pois a sua elaboração ocorre como se envolvesse o globo terrestre em torno de um cilindro.

Trata-se de uma das projeções cartográficas mais conhecidas em todo o mundo. Nela, os meridianos são representados em linhas curvas ou elipse, enquanto os paralelos permanecem em linhas retas.

Sabemos que todas as projeções cartográficas apresentam distorções, em razão do fato de elas serem representações da esfera terrestre realizadas em um plano. Dessa forma, diferentes elaborações foram construídas. No caso das projeções cilíndricas, essas elaborações são classificadas em dois tipos principais: as semelhantes ou conformes e as equivalentes.

As projeções semelhantes procuram representar corretamente a forma dos continentes, tendo como prejuízo a distorção de suas áreas, como no caso da Projeção de Mercator. Por outro lado, as projeções equivalentes procuram conservar as áreas, mas com a distorção de suas formas, como no caso da Projeção de Peters.

A grande vantagem da Projeção de Robinson é de ela se encontrar em um meio termo entre esses dois tipos. Ela não preserva nem a forma e nem a correta área dos continentes. No entanto, ela consegue minimizar as distorções que ocorrem nesses dois aspectos.

Por esse motivo, ela é ideal para mapas que procuram representar a área da Terra como um todo e, assim, é a projeção mais utilizada em mapas e atlas, sendo muito conhecida também como o mapa-múndi da Terra. Observe a imagem no início do texto, certamente você já a viu nas representações mais comuns do mapa terrestre.

Como já afirmamos, essa projeção apresenta distorções tanto nas áreas quanto na forma dos continentes. Na deformação das áreas, podemos citar a Antártida e as regiões de altas latitudes (próximas aos polos). Além disso, o tamanho da área da grande maioria dos continentes não está em suas proporções corretas. Interessante observar como as áreas mais ao centro da projeção ficam menos distorcidas em relação àquelas que se encontram na periferia do mapa.

Assim, o uso principal da Projeção de Robinson não é destinado a atuações e representações técnicas – como no caso da projeção de Mercator, muito utilizada em navegações –, mas sim ao uso didático, tendo sido recomendada para tal fim por diversas instituições educacionais de todo o mundo.


Por Rodolfo Alves Pena
Graduado em Geografia

DEIXE SEU COMENTÁRIO
  • Danúbiasegunda-feira | 01/09/2014 10:37Hs
    Achei ótimo foi de grande ajuda.
    • kalynnesábado | 28/03/2015 18:03Hs
      verdade
      4 3
  • Ester De Jesus Da Silvaquinta-feira | 24/07/2014 16:13Hs
    esse texto me ajudou mt com meu trabalho
  • brena kelly ribeiro araujoquarta-feira | 14/05/2014 16:10Hs
    Gostei muito do texto,excelente para fazer um trabalho de escola.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cursos Brasil Escola + DE 1000 OPÇÕES >> INVISTA EM SUA CARREIRA! <<
AULAS AO VIVO DO ENEM
AULAS AO VIVO DO ENEM
12x R$ 20,83

sem juros

COMPRAR
Motivação a Leitura e a Escrita
MOTIVAÇÃO A LEITURA E A ESCRITA
12x R$ 6,66

sem juros

COMPRAR
PORTUGUÊS PARA O ENEM
PORTUGUÊS PARA O ENEM
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
Conteúdos exclusivos sobre química
CURSO DE QUÍMICA
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
R7 Educação