Topo
pesquisar

O que é Arqueologia?

Geografia

A arqueologia é um ramo da ciência que possibilita ao pesquisador estudar, conhecer e reconstituir o modo de vida das sociedades coloniais e pré-coloniais.
PUBLICIDADE

Arqueologia é a disciplina que estuda a cultura material de sociedades que têm escrita ou não. É um ramo da ciência que possibilita ao pesquisador estudar, conhecer e reconstituir o modo de vida das sociedades coloniais e pré-coloniais. 
A palavra ARQUEOLOGIA tem origem grega, em que Archaios significa passado / antigo e Logos significa ciência / estudo. Somando-se essas duas palavras, podemos definir a Arqueologia como a ciência que estuda o passado. 
A partir dessa ciência, o arqueólogo (pesquisador que estuda a arqueologia) identifica objetos que pertenceram aos povos do passado, como: fragmentos de cerâmica, ferramentas em pedra, instrumentos de caça e pesca, restos de alimentos, ossos, restos de habitações, dentre outros achados. 
Com base na análise minuciosa desses vestígios materiais é possível obter informações sobre as culturas antigas, reconstituindo aspectos socioculturais e ambientais da vida dessas populações. 
Essas informações permitirão ao arqueólogo resgatar dados referentes às primeiras formas de organização social e do espaço, da economia, das manifestações culturais e dos aspectos políticos de grupos que ocuparam uma determinada área no passado longínquo (pré-colonial) ou não muito distante (colonial).  
Diante das definições acima, pode-se diferenciar duas ciências que estão ligadas, mas que são completamente distintas. São elas a Arqueologia e a Paleontologia. 
Durante muito tempo a imagem do arqueólogo ficou associada ao pesquisador que estuda os dinossauros. Mas essa função não diz respeito ao arqueólogo, e sim ao paleontólogo (profissional que se dedica ao estudo dos animais e vegetais fósseis). 
Enquanto o arqueólogo busca entender como viveram as sociedades em períodos passados, o paleontólogo se preocupa em reconstituir a vida dos animais extintos há milhares de anos. 
O registro arqueológico é formado pelo resultado da ação do homem em criar ou destruir materiais que chamamos de artefatos. Esses restos de objetos deixados no solo pelo homem permitirão contar a história destes povos que tinham, ou não, o domínio da escrita. 
Por este motivo, separamos a Pré-história da História (ou período pré-colonial do colonial, conforme a nova terminologia utilizada por alguns arqueólogos para definir, respectivamente, o período anterior e posterior ao contato com o europeu). A pré-história seria o período anterior a escrita. Mas, levando em consideração que a escrita obteve desenvolvimento diferenciado entre as diversas partes do mundo, o limite entre a Pré-história e a História é variado. 
No Egito e na Mesopotâmia, tem-se registro de que a escrita surgiu por volta de 4.000 a.C., limitando-se neste período a pré-história e a história com o advento da civilização. No entanto, só a partir do século XV, com a colonização europeia, marca-se a transição desse período na África Central, na Austrália e na América. 

Aqui no Brasil, por exemplo, chamamos de pré-história o período anterior ao descobrimento do Brasil pelos portugueses, ou seja, antes do ano 1500. 
Durante a pré-história, o Brasil foi ocupado apenas por grupos que não tinham o domínio da escrita, mas que tinham o hábito de caçar, pescar e coletar alimentos, produzir cerâmicas e desenvolver a prática da agricultura. 
No litoral, antes do descobrimento oficial do Brasil, o país foi habitado por um povo ainda mais antigo do que os índios, denominados sambaquieiros. 
Chamamos de sambaquieiros, grupos de pescadores-caçadores-coletores que ocuparam a costa brasileira por volta dos 6000 anos AP (antes do presente), que tinham o hábito de amontoar conchas nos locais de sua moradia que denominamos de sambaqui (palavra de origem Tupi). 
Essa atividade repetitiva, durante muito tempo, resultou em grandes montes de conchas com dimensões que variam entre 2,0m e 30m de altura. Nestes montes artificiais de conchas, encontram-se presentes: sepultamentos, restos faunísticos, artefatos líticos, ossos, material malacológico (moluscos), zoolitos (esculturas animais em pedra) dentre outros elementos. 

Os elementos deixados no solo (cerâmicas, artefatos líticos, adornos ou qualquer outro objeto), tanto por grupos indígenas que ocuparam o interior do Brasil quanto pelos grupos sambaquieiros, foram-se acumulando com o passar do tempo, formando pistas (como um quebra-cabeça) que permitem ao arqueólogo remontar a vida desses povos pré-históricos. 
Já o período histórico (em que havia a presença do homem branco a partir da colonização), é caracterizado pela existência de documentos que auxiliam o seu estudo. Neste período, elementos como mapas, textos, fotografia, monumentos e construções ajudam a entender a vida das sociedades históricas mais antigas, enquanto o período pré-histórico é estudado apenas por vestígios registrados no solo e que foram utilizados pelos homens pré-históricos para as suas atividades. 
O arqueólogo que estuda a pré-história terá que se dedicar à procura de todos os elementos que lhe permitam entender a vida social dos homens, ainda que se levando em consideração que as atividades dos homens não se fazem necessariamente à superfície do solo e à arte rupestre (pinturas e gravuras realizadas nas pedras) marcadas em grandes paredões de rocha. 
Nesse artigo, numa perspectiva de adquirir subsídios que permitam ampliar a discussão a respeito da vida cotidiana dos grupos pré-coloniais, optamos por uma abordagem essencialmente pré-histórica. 
Os temas vinculados ao período histórico, apesar de não se apresentarem independentes, têm certa autonomia, em função da disponibilidade de registros (textos, fotografias, mapas, documentos), podendo ser estudados separadamente. 
É evidente que não se pretende apresentar um texto completo sobre a pré-história brasileira, mas discutir itens que consideramos importantes na busca da identidade humana, formulando argumentos e apontando informações sobre ângulos pouco explorados ou apresentados sob forma não convencional ao público leigo. 
Para estudar as descobertas arqueológicas, o arqueólogo utiliza métodos específicos da arqueologia e de outras ciências para interpretar os vestígios encontrados. Mais adiante discutiremos a aplicação destes métodos.

Série Desvendando a Arqueologia

Por Antonio Canto
Colunista Brasil Escola

____________________
Antonio Canto  é Arqueólogo, Mestre em Geociências (UFPE), Doutorado em Arqueologia (Universidade de Coimbra). Professor Universitário; Arqueólogo da Oficina-Escola de Revitalização do Patrimônio Cultural de João Pessoa; Presidente do Núcleo de Pesquisas Arqueológicas e Sociais (NUPAS).

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

RIBEIRO, Thiago. "O que é Arqueologia?"; Brasil Escola. Disponível em <http://www.brasilescola.com/geografia/o-que-e-arqueologia.htm>. Acesso em 05 de novembro de 2015.

DEIXE SEU COMENTÁRIO
  • cassia santosquarta-feira | 14/05/2014 15:19Hs
    amei, mim ajudou muito!!!!!!!
  • Vera Batista de Limaquarta-feira | 16/04/2014 23:46Hs
    Me ajudou a intender o assunto
  • Rosilene Monteiro Rodrigues Barbasiaquinta-feira | 27/02/2014 20:39Hs
    que legal me ajudou muito
  • batataquarta-feira | 26/02/2014 22:40Hs
    esse site tem de tudo
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cursos Brasil Escola + DE 1000 OPÇÕES >> INVISTA EM SUA CARREIRA! <<
Conteúdos exclusivos sobre geografia infantil
GEOGRAFIA INFANTIL
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
AULAS AO VIVO DO ENEM
AULAS AO VIVO DO ENEM
12x R$ 20,83

sem juros

COMPRAR
Motivação a Leitura e a Escrita
CURSO DE FRANCÊS
12x R$ 6,66

sem juros

COMPRAR
PREPARATÓRIO PARA O ENEM
PREPARATÓRIO ENEM 2015
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
R7 Educação