Topo
pesquisar

Capitalismo Financeiro

Geografia

O capitalismo financeiro corresponde à parte especulativa do sistema econômico, transformando valores monetários e títulos de ações em mercadorias.
PUBLICIDADE

O Capitalismo Financeiro – também conhecido como Capitalismo Monopolista – é a fase do sistema capitalista caracterizada pelo crescimento da especulação financeira em torno de ações de empresas, juros, títulos de dívidas e outras formas de crédito que se transformaram em mercadorias, sendo comercializadas como tais. Diz-se que sua origem foi gradativa e ocorreu ao longo do final do século XIX e início do século XX, estendendo-se até os dias atuais.

Podemos compreender que o marco para a consolidação do Capitalismo Financeiro foi o gradativo processo de transformação das empresas em ações, ou seja, a fragmentação dos títulos dessas empresas em várias ações que são comercializadas livremente. Os detentores da maior parte desses documentos, os sócios majoritários, são os que tomam as principais decisões, bem como aqueles que acumulam a maior parte do lucro dessas empresas.

Outro fator importante referente à expansão do mercado financeiro foi a maior participação dos bancos, que se tornaram os maiores financiadores das empresas por meio de empréstimos ou investimentos diretos. Assim, o sistema bancário tornou-se muito próximo do industrial, constituindo uma complexa relação de complementaridade.

Assim, podemos considerar que um marco desse fenômeno no processo econômico foi a bolsa de valores, que se tornou o principal símbolo do Capitalismo Financeiro. É na bolsa de valores que são negociadas as ações e os investimentos em empresas e por empresa, envolvendo negócios que envolvem a especulação de possíveis lucros futuros em relação a investimentos imediatos, o que é um fator de risco.

Não por acaso, a maior crise da história do capitalismo foi marcada justamente pela quebra de uma bolsa de valores, no caso a de Nova Iorque, no ano de 1929, quando o sistema liberal entrou em colapso. Ainda hoje, quando as bolsas de valores de várias partes do mundo apresentam sucessivas quedas, a economia torna-se o centro das preocupações por parte da população e dos governos.

O fato de essa fase do capitalismo também ser chamada de “monopolista” refere-se ao processo de concentração de capitais e de mercado nas mãos de poucas empresas. Afinal, a comercialização de direitos e ações sobre indústrias e instituições provoca a compra de uma marca pela outra, que passa a controlar parte do mercado. Assim, quando um grupo econômico passa a controlar várias empresas que, não necessariamente, atuam no mesmo segmento, diz-se que esse grupo formou uma holding.

Um exemplo de holding é a Ambev, que controla várias empresas ligadas ao ramo de bebidas. Outro exemplo é a Pepsico, que controla empresas de vários ramos alimentícios, entre outros inúmeros casos. Essas holdings passam a controlar o mercado ou pelo menos grande parte dele, fazendo com que muitos considerem essa prática uma forma de monopólio ou oligopólio.

Além da formação e expansão das holdings, observa-se também a fusão entre empresas, o que chamamos de trustes. Um exemplo de truste é a união entre os bancos Itaú e Unibanco, ou, mais antigamente, entre a empresa sueca Electrolux e a brasileira Prosdócimo, essa última incorporada à primeira. Outro caso foi a união entre a Sadia e a Perdigão, além de muitos outros exemplos.

Capitalismo Informacional

Há diversos autores que afirmam ter surgido uma nova fase do sistema capitalista, o Capitalismo Informacional. Esse termo foi elaborado pelo sociólogo espanhol Manuell Castells e difundiu-se rapidamente como uma nova forma estrutural que se expandiu em substituição ao sistema financeiro.

No entanto, podemos considerar que o Capitalismo Financeiro e o Informacional são duas formas econômicas que coexistem atualmente. O segundo surgiu a partir das necessidades do primeiro. Afinal, com os avanços nos meios de transporte e comunicação, o sistema financeiro expandiu-se por todo o mundo, passando a exigir cada vez mais das tecnologias novas formas de interação e comercialização, além de transferências de capitais e informações em tempo real.


Por Me. Rodolfo Alves Pena

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PENA, Rodolfo F. Alves. "Capitalismo Financeiro"; Brasil Escola. Disponível em <http://www.brasilescola.com/geografia/capitalismo-financeiro.htm>. Acesso em 04 de novembro de 2015.

DEIXE SEU COMENTÁRIO
  • eduardasábado | 04/04/2015 13:23Hs
    otimo texto
  • Cleana Sousaterça-feira | 10/02/2015 16:35Hs
    Ótimo esses textos explicativos!!! :*
  • Arnaldosegunda-feira | 20/10/2014 17:19Hs
    Precisei realizar um trabalho para a faculdade, com o tema "Capitalismo Financeiro". Após várias pesquisas, elegi a matéria deste site, por ter ótima abrangência, e ao mesmo tempo um texto não cansativo (poucas laudas).
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cursos Brasil Escola + DE 1000 OPÇÕES >> INVISTA EM SUA CARREIRA! <<
Conteúdos exclusivos sobre geografia infantil
GEOGRAFIA INFANTIL
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
AULAS AO VIVO DO ENEM
AULAS AO VIVO DO ENEM
12x R$ 20,83

sem juros

COMPRAR
Motivação a Leitura e a Escrita
CURSO DE FRANCÊS
12x R$ 6,66

sem juros

COMPRAR
PREPARATÓRIO PARA O ENEM
PREPARATÓRIO ENEM 2015
12x R$ 10,83

sem juros

COMPRAR
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
R7 Educação